Total de visualizações de página

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Como reagir a um redemoinho

Seus problemas acabaram!
Se você um dia estiver nadando e der de cara com um redemoinho, aqui está o guia "Faça você mesmo - como reagir a um redemoinho".  Mais um produto das... Organizações Tabajara!!!

Em primeiro lugar, é importante salientar que não estamos falando de como SOBREVIVER a um redemoinho - uma vez que isso nem sempre é possível. Leia nosso prático Manual de Instruções e boa sorte!

Manual de Instruções
Capítulo 1
Ao se aproximar de um redemoinho, avalie seu tamanho e sua força da melhor maneira que puder. Se a água permitir, observe submerso a profundidade de seu olho e o tamanho das coisas que ele puxa, bem como a força com que ele arremessa tudo para o fundo. Se for grande e poderoso e você não for capaz de evitá-lo, comece imediatamente a rezar - cuide da alma, pois o corpo já era! Não se esqueça de xingar até a quinta geração de quem te colocou naquela fria.
Capítulo 2
Se for possível enfrentá-lo, mantenha a calma e lembre-se das magníficas aulas de física do segundo grau, onde você estudou o Princípio de Conservação do Momento Angular. Se não lembra, veja exemplos práticos aqui (e, de quebra, aprenda um pouco de italiano!):


Capítulo 3
Se você entendeu bem o Capítulo 2, perceberá que deve manter-se absolutamente na horizontal e o mais longilíneo possível. Caso você se desespere e queira ficar de pé, seu momento de inércia cairá e o redemoinho terá mais facilidade em rodá-lo e, por conseguinte, puxá-lo.
Capítulo 4
Use de seus dons natatórios e evite aproximar-se, tanto quanto possível, do olho do redemoinho. Passe o mais longe possível dali e não deixe as pernas afundarem - bata-as fervorosamente. Se estiver num rio, use a correnteza a seu favor e entre no braço que vai arremessá-lo - pela ação da força centrífuga - para baixo no rio. Não economize na força braçal nessa hora.
Capítulo 5
Escreva um comentário de agradecimento neste blog que ajudou a salvar sua vida! Rsrsrsrsrs.

5 comentários:

  1. E aí, Percival! Tudo bem? :D

    Deixa ver se eu entendi direito... No primeiro caso, a minha pessoa... já era! - isso é bem desanimador, mas é melhor a sinceridade do que a ilusão de sobrevivência... Tá certo...

    No segundo caso... Conservazione del Momento angolar! Momento angolar. O duro é manter o sotaque enquanto tento imitar uma tábua com pernas e braços! - conselho do capítulo 3.

    No capitulo 4, se eu ainda tiver forças, bater tudo muito rápido e fervorosamente para ser arremessada!... Nossa! Sinto-me como se estivesse dentro de um relógio cheio de engrenagens!

    Acho que entendi o espírito da coisa, na teoria...! A parte mais chique é atravessar o redomoinho com sotaque italiano! Elegante, né?! :)

    Um dia, se eu tiver que atravessar um redemoinho, vou me lembrar disso com certeza!

    Muito obrigada por salvar a minha vida!

    E... Prá frente peixarada! :D

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Juvenilson,
      Obrigado por sua opinião.
      Na verdade eu não desisti do blog. Simplesmente, a travessia acabou. Espero retomá-la quando o Rio voltar a encher com as chuvas.
      Também pretendo formatar esta história como ebook, a custo zero, para os amantes de boas histórias.
      Abraço!

      Excluir
  3. Tá certo corajosos vcs hemm quer dizer que é só rezar né que aiii o resto a gente vê depois ,pode deixar que se acontecer já sei de onde vir falar , mas vlw pela dica.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Mya!
    Obrigado por seu comentário. Brincadeiras à parte, o Domingos Montagner poderia se salvar caso ele soubesse o que fazer naquela hora.
    Abração!

    ResponderExcluir